FR016_Tomate__Tomato_Principe-Borghese_Sementes-Biologicas_Semillas-Ecologicas_Organic-Seeds_Sementes-Vivas_1
FR016_Tomate__Tomato_Principe-Borghese_Sementes-Biologicas_Semillas-Ecologicas_Organic-Seeds_Sementes-Vivas_2
FR016_Tomate__Tomato_Principe-Borghese_Sementes-Biologicas_Semillas-Ecologicas_Organic-Seeds_Sementes-Vivas_3
FR016_Tomate__Tomato_Principe-Borghese_Sementes-Biologicas_Semillas-Ecologicas_Organic-Seeds_Sementes-Vivas_1
FR016_Tomate__Tomato_Principe-Borghese_Sementes-Biologicas_Semillas-Ecologicas_Organic-Seeds_Sementes-Vivas_2
FR016_Tomate__Tomato_Principe-Borghese_Sementes-Biologicas_Semillas-Ecologicas_Organic-Seeds_Sementes-Vivas_3

Tomate 'Principe Borghese'

Hortícolas de Fruto
Intermédio
Bio
1,59 €
Com IVA
FR016-BAPS01

ÉPOCA DE SEMENTEIRA

 width=

Variedade italiana antiga adequada para secagem e armazenamento no inverno devido ao seu baixo teor de sumo. Muito produtivo, com frutos...

Quantidade por saqueta: 50 Sementes
  • 2 g
  • 10 g
  • 50 g
  • 50 Sementes

 

Itinerário técnico da cultura do Tomate (Solanum lycopersicum)

Como cultivar tomate biológico?

Sementeira

Feita em tabuleiro com posterior transplante para o local definitivo. As variedades indeterminadas necessitam de compassos mais largos que as variedades determinadas.

Solo

A cultura adapta-se bem a terrenos com textura desde franco-arenosa a franco-argilosa, desde que bem drenados para evitar podridões radiculares. O pH deve encontrar-se entre 6.0 e 7.0.

Clima

Desenvolve-se bem em temperaturas entre os 16°C e os 32°C, em que temperaturas abaixo ou acima desses valores vão levar a problemas na frutificação.

Fertilização

Deve incorporar-se composto de boa qualidade em fertilização de fundo, devendo ter-se em atenção que excesso de azoto vai levar a um elevado crescimento vegetativo em detrimento da formação/crescimento de frutos. A cultura necessita também de fósforo numa forma facilmente assimilável.

Rega

A rega por gota-a-gota é uma boa opção para a cultura pois fornece água de uma forma bastante localiza às plantas e evita a que haja água sobre as folhas e frutos que pode levar ao desenvolvimento de doenças.

Controlo de infestantes

mulching com materiais orgânicos e plástico são boas opções para a cultura, evitando a competição com infestantes, e evitando que os frutos entrem em contacto com o solo e seja porta de entrada a possíveis podridões. O plástico tem também a vantagem de ajudar a conservar a humidade no solo.

Controlo de pragas

Os ácaros, afídeos, lagartas roscas, lagarta do tomate, lagarta mineira do tomate (Tuta absoluta), larvas mineiras, mosca branca e tripes são pragas da cultura. Para controlo dos ácaros são controlados através de luta biológica com ácaros predadores. Para o controlo dos afídeos devem ser usadas fertilizações moderadas sem excesso de azoto, limitação natural com sebes em bordadura para favorecer os auxiliares, luta biológica com himenópteros parasitóides e predadores. As lagartas roscas são controladas evitando o uso de estrume fresco, pelo uso de isco com farelo + melaço + Bacillus thuringiensis sobre o terreno junto à cultura, Bacillus thuringiensis em pulverização, luta biológica com nemátodes Steinernema carpocapsae. A lagarta do tomate é controlada através de tratamento biológico com Bacillus thuringiensis. A lagarta mineira do tomate (Tuta absoluta) é controlada através da sua captura com armadilhas sexuais para redução da população, luta biológica com mirídeos e por tratamento biológico com Bacillus thuringiensis. As larvas mineiras são controladas através da limitação natural com sebes e outras plantas melíferas que alimentem os adultos dos parasitoides e também pela luta biológica com himenópteros parasitóides. A mosca branca é controlada através de fertilizações moderadas sem excesso de azoto, não transplantar plantas infestadas, colocar placas amarelas com cola para protecção, luta biológica com himenópteros parasitóides, ácaros predadores e insectos mirídeos predadores. As tripes são controladas através de plantas em bordadura favoráveis aos auxiliares antocorídeos (malmequeres entre outras compostas) e pela luta biológica com ácaros predadores e antocorídeos.

Tutoragem

É uma operação que leva a manter a planta erguida, sem que as folhas e os frutos toquem no chão, evitando assim que haja o surgimento de doenças por essa via (como podridões), melhorando também a exposição da planta à luz solar, o arejamento e facilitando as operações culturais e colheita.

Poda de formação

É uma operação bastante importante nas variedades de crescimento indeterminado. Realiza-se entre 15 a 20 dias após o transplante com o surgimento dos primeiros rebentos laterais que devem ser eliminados e definindo o número de “braços” por planta.

Operações em verde

Deve regularmente eliminar-se todas as folhas velhas e com sinais de doença. Os rebentos que surjam nas axilas devem ser eliminados pois irão retirar recursos para locais onde farão de facto falta. Também podem ser realizadas mondas aos frutos removendo aqueles que apresentam formas e calibres não pretendidos, bem como sinais de praga ou doença.

Colheita

A colheita será escalonada pelo que se deve ir colhendo consoante o destino da produção. Se o objetivo for a sua venda e sendo um fruto climatérico, pode ser colhido antes da sua maturação completa.

Pós-colheita

Independentemente da variedade deve ser conservado a baixas temperaturas, tendo o ambiente uma humidade relativa de 90 a 95%.

 

Variedade
Hortícolas de Fruto
Nível
Intermédio
Certificação
Bio
Hábito de Crescimento
Determinado
Cor
Vermelho
Dicas de Cultivo
Apta para Vasos
Ciclo
Semi-Precoçe
Tipo de Fruta
Cherry
Pêra
5600713306373

Também poderá gostar

Produto adicionado aos seus favoritos